Uma RUSTICASA® é uma casa inteiramente feita de madeira, com um elevado padrão de qualidade. Com fabrico próprio desde há 40 anos, soubemos adaptar diferentes técnicas construtivas tradicionais em madeira ao nosso clima.

Na Rusticasa existem atualmente 4 técnicas construtivas diferenciadas:

 

  • a casa de troncos de madeira maciça para os apaixonados do estilo robusto, com os cantos cruzados, segundo a técnica ancestral, montada peça a peça no local da obra;

 

  • a casa de estrutura ligeira (Timber-Frame), para linhas contemporâneas e grande diversidade de acabamentos interiores e exteriores, montada na obra em painéis de grande dimensão;

 

  • a casa de estrutura porticada pesada (Post & Beam), para uma arquitetura contemporânea de linha robusta, grandes vãos envidraçados, grandes mezaninos e espaços amplos, armada peça a peça no local da obra;

 

  • a casa ITS™ (Insulated Timber System), 100% criada por Rusticasa, combinando todas as técnicas anteriores. Com elevada resistência térmica graças à cortiça no seu interior, estas casas são inteiramente pré-fabricadas nas nossas instalações para uma montagem em obra extremamente rápida (2 dias para paredes e cobertura). Utilizam-se painéis ISOLAM® de grande dimensão que seguem um rigoroso controlo de qualidade.

 

Qualquer que seja a técnica escolhida, a empresa empenha-se em construir segundo as boas regras da arte, quer pelos materiais utilizados (madeiras, ferragens, produtos de acabamento), quer pelas equipas de venda, desenhos, fabricação, montagem e pós-venda. Todos estes serviços são internos da Rusticasa desde há 40 anos, possibilitando a máxima eficiência na extraordinária aventura de construir uma casa de madeira. Com rigor e qualidade!

Construir uma casa em madeira, qualquer que seja a sua proveniência, é já por si honrar o Ambiente, é ser eco-responsável; construir uma RUSTICASA® é, para além disso, uma garantia de qualidade e durabilidade, avalizada por 40 anos de experiência de uma equipa apaixonada pelo seu trabalho.

 

Uma casa em madeira bem construída e duradoira é sem dúvida uma construção ecológica, porque, aproveitando uma matéria prima natural e renovável (ao contrário dos outros materiais de construção), ela armazena por muito tempo uma grande quantidade de CO2 dentro da sua matéria lenhosa (graças à fotossíntese na fase de crescimento da árvore, e depois no seu uso a longo prazo na própria construção). Ainda por cima, a transformação da madeira gasta muito pouca energia, comparando com os outros materiais de construção; e como as construções RUSTICASA® são muito bem isoladas, o gasto energético ao longo da vida útil da casa será também reduzido.

Por isso é que cientistas no mundo inteiro, assim como um crescente número de países desenvolvidos, promovem uma gestão eficaz das florestas, com cortes de árvores controlados e plantações obrigatórias, para uma economia florestal sustentável, e esforçam-se para que o uso da madeira seja cada vez mais implantado nas construções… Para o bem do nosso Planeta!

 

Viver numa RUSTICASA®, é ter a Floresta dentro de casa, é conhecer o aroma que o vai encantar a todo momento, é descobrir cada dia a poesia dos veios e dos nós de cada peça de madeira, passar os dedos nas paredes suaves que o rodeiam, respirar um ar purificado graças à constante filtragem que a madeira realiza…

Cada cliente da Rusticasa pode optar por acabamentos ao seu gosto: paredes interiores com a madeira ao natural, ou pintadas a branco, ou ainda recobertas com placa de gesso; paredes exteriores com velaturas em vários tons à escolha, com o tronco horizontal plano ou boleado, com parede ventilada em forro horizontal ou vertical, de vários formatos e feitios…

 

Enquanto que uma construção “tradicional” de betão, com as típicas “derrapagens orçamentais”, demora pelo menos 1 ano a realizar (e depois mais 2 anos a secar completamente!), a montagem de uma RUSTICASA®, com o preço fixado em contrato, demorará uma média de 2 meses, com 100% de materiais secos (sem tempo de secagem!).

 

Por igualdade de resistência térmica, uma parede de betão será sempre pelo menos 2 vezes mais espessa que uma parede de madeira, com a respetiva perda de espaço útil interior…

Pela baixa inércia térmica que tem a madeira, ao contrário do betão, uma RUSTICASA® será sempre muito fácil e rápido de aquecer e arrefecer.

 

A resistência ao sismo das construções em madeira é imbatível; no Japão, há muito que utilizam este material sólido e ao mesmo tempo flexível nas suas edificações.

E mesmo a resistência ao fogo é conhecida pelos bombeiros como sendo a madeira um material de construção seguro e fiável, pois arde lentamente sem perder as suas capacidades mecânicas, ao contrário do que acontece com o aço e o betão.

E tudo isso com uma garantia de durabilidade acima dos 50 anos (conforme as normas europeias obrigam)!

 

Mas é no conforto do dia a dia que a casa de madeira, na condição de ser bem construída e bem isolada como uma RUSTICASA®, supera qualquer outro tipo de materiais de construção: paredes sem pontes térmicas e sem humidades, cobertura bem ventilada para evitar as condensações no inverno e para refrescar no verão, caixilharia de madeira lamelada-colada com 68mm de espessura, vidros duplos, fechos multi-pontos, de alta qualidade.

 

Todas as condições estão então reunidas para uma habitação anti-stress, relaxante, graças também à ausência de electricidade estática e à acústica suave que proporcionam as paredes de madeira.

 

O autêntico “lar doce lar”.

Várias espécies são usadas em função das características intrínsecas de cada uma e do seu uso na obra:

 

Para o vigamento estrutural, o Pinho silvestre nórdico (Pinus sylvestris), também chamada Casquinha vermelha, será a madeira mais usada. Quando aplicada em exterior, como um decking por exemplo, esta madeira será tratada em profundidade em autoclave.

 

Para as paredes exteriores e interiores, teremos a escolha entre o Pinho silvestre nórdico, o Abeto nórdico (Picea abies), chamada Casquinha branca, ou ainda a Criptoméria japónica (Cryptomeria japonica).

 

Enquanto que o Pinho e o Abeto são originários dos países nórdicos, a Criptoméria é a árvore nacional do Japão. Nos Açores (principalmente na ilha de São Miguel) esta espécie foi largamente plantada a partir do século XIX, e é daí que a Rusticasa compra a sua principal matéria prima. A Criptoméria tem características muito vantajosas para as construções em madeira: leveza, estabilidade dimensional, resistência aos ataques bióticos, aroma, suavidade ao toque e estética.

 

Para o piso interior de soalho, temos escolha do Pinho bravo (Pinus pinaster) ou Eucalipto (Eucaliptus globulus).

 

É claro que toda a madeira empregue na Rusticasa provém de gestão florestal durável, muita dela com selo da certificação florestal PEFC e/ou FSC.

Pelas normas europeias, hoje em dia qualquer construção nova deve durar pelo menos 50 anos, sem necessidade de eventuais obras de restauro.

 

As construções RUSTICASA®, para além de seguir o Eurocódigo 5 e os métodos e técnicas perfeitamente documentados por organismos franceses reconhecidos oficialmente (como CSTB, FCBA, CNDB), apoiam-se numa experiência de 40 anos para permitir a melhor adequação da madeira ao nosso clima.

 

As estruturas das nossas casas, qualquer que seja o sistema construtivo escolhido, superam o mínimo exigido pelas normas europeias, podendo durar muito mais consoante as condições ambientais, tais como exposição às intempéries, sombreamento das fachadas expostas ao sol, afastamento das humidades do terreno, limpeza da cobertura, cuidados nas manutenções periódicas das madeiras exteriores, etc…

 

Como prova dessa afirmação, é possível ver algumas das nossas casas mais antigas na região do Minho, tão bem conservadas que é fácil prever que elas durarão mais de 100 anos!

Uma RUSTICASA® é um produto exclusivo cujas características se ajustam às exigências do Cliente. Muitos factores entram em consideração para determinar o seu preço de venda: o sistema construtivo, a espessura da madeira escolhida, a geometria e tamanho da construção, a localização geográfica da obra, as condições de acesso ao terreno, e muitos mais…

 

Ao contrário da crença generalizada, uma casa de madeira bem construída e com qualidade nunca poderá ter um preço inferior ao de uma construção tradicional de boa qualidade e que cumpre as exigências do regulamento térmico atual.

Para ter uma ordem de ideias, o custo por m2 das casas RUSTICASA® oscila entre os 750€ e os 1.000€.

 

A madeira é um material nobre, com origem na Árvore que cresce lentamente (mínimo de 30 anos) e cujo abate é substituído garantidamente por nova plantação, permitindo assim uma permanente renovação de stock de matéria prima (com os respetivos benefícios para o nosso Planeta!).

 

Os processos de transformação da madeira requerem cuidados e mão-de-obra especializada, normalmente mais cara do que no mundo do betão.

 

Uma casa de madeira com qualidade não se compra pelo seu preço (pois não é mais barata que as outras), mas sim pela escolha de uma habitação sã e com consciência ecológica.

Entre todos os materiais de construção, a madeira é o único natural e renovável. A casa de madeira nasce da floresta, esse pulmão da Terra que gera oxigénio, absorve dióxido de carbono e reduz o efeito de estufa.

 

A Ecologia e a salvaguarda do meio ambiente preocupam hoje uma percentagem crescente de cidadãos. Mas, contrariamente ao senso comum, a floresta precisa de ser mantida e cortada de forma ordenada e racional, para que o seu ciclo natural continue. Nas florestas abandonadas, as árvores morrem velhas, vítimas da concorrência mútua, de ataques de parasitas e decompõem-se, deixando de produzir oxigénio e libertando CO2, alterando assim o seu papel ecológico. Nas florestas com desenvolvimento sustentado, as massas tem uma produção constante ou crescente e o seu volume em pé nunca diminui. O princípio é simples: somente se corta o volume de madeira que a massa florestal produziu num ano.

 

As madeiras utilizadas na RUSTICASA® são exclusivamente provenientes de florestas sustentadas, pelo que com a sua utilização promove-se a renovação das florestas.

Sim, é perfeitamente possível integrar qualquer outro material nas construções RUSTICASA®: grandes vidros em fachadas, pedra nas lareiras, tijoleira no piso, vigas de aço para grandes vãos esbeltes, cobertura vegetalizada, e mil outros…

 

Nas paredes, é possível combinar a pedra, o vidro ou alvenaria com a madeira. Os casos mais frequentes encontram-se nas lareiras ou em fachadas antigas que se pretendem recuperadas e integradas na nova construção.

 

De igual forma, o revestimento dos pisos pode ser feito com tijoleira, ardósia, cortiça, etc. A combinação de materiais é também possível consoante o uso de cada divisão, por exemplo: soalho na sala e quartos e tijoleira na cozinha e casa de banho.

 

De forma a integrar a construção com o meio ambiente e com as características arquitectónicas locais, é possível utilizar diferentes tipos de cobertura nos telhados, tais como telha cerâmica tradicional, terra com vegetação (telhados ecológicos), ardósia, madeira ou outros.

É sabido de todos o conforto térmico-acústico das casas de madeira, desde que bem construídas. A Rusticasa empenha-se em cumprir o regulamento nacional de isolamento térmico nas suas construções. Esse regulamento térmico, com cada vez maiores exigências, tende a que as construções em geral gastem cada vez menos energia no seu aquecimento no inverno e arrefecimento no verão. Todos os países da União Europeia seguem o mesmo caminho para diminuir as emissões de CO2 na atmosfera.

 

Uma casa de madeira bem isolada, não só permite poupar custos energéticos, mas também contribui para uma melhor saúde dos seus habitantes, evitando doenças reumáticas e das vias respiratórias.

 

A inércia térmica de uma casa de madeira é baixa; basta pousar a mão na madeira, para comprovar que as paredes não estão nem frias no inverno, nem quentes no verão; significa que, ao contrário da casa de betão ou de pedra, uma RUSTICASA® será muito fácil e rápido de aquecer quando, por exemplo, chega à casa depois dum período de ausência em tempos frios. Sem humidades. Sem maus odores. Apenas o cheirinho bom a madeira. De igual modo, uma RUSTICASA® é facilmente arrefecida quando, por exemplo, terá deixado entrar o sol pelo vitral da sala sem acautelar um sombreamento exterior eficaz, bastando entre-abrir as janelas de noite para rapidamente baixar a temperatura no interior da habitação. Dificilmente conseguirá isso numa casa convencional com elevada inércia térmica…

 

O coeficiente de isolamento térmico da madeira é 6 vezes superior ao do tijolo, 15 vezes superior ao do betão, 400 vezes superior ao do aço, e 1770 vezes superior ao do alumínio. Assim é fácil entender porquê uma casa em madeira tem tão reduzidas pontes térmicas, e como é possível manter o ambiente interior de uma RUSTICASA® quente no inverno e fresco no verão, com poupanças de energia que podem ultrapassar os 50% em relação às construções de alvenaria ou de pedra.

 

Por outro lado, as propriedades acústicas da madeira são amplamente reconhecidas; absorve uma parte importante da energia das ondas sonoras que recebe, com a consequente redução da poluição acústica.

 

A casa de madeira é uma casa silenciosa e reduz o stress dos seus habitantes.

Devido às propriedades mecânicas da madeira e à técnica construtiva, as construções em madeira são extremamente sólidas e resistentes aos abalos sísmicos e ventos ciclónicos.

 

No Japão, onde os terramotos são muito frequentes, as casas em madeira são especialmente requisitadas.

 

Flexível, leve e sólida ao mesmo tempo, a madeira possui propriedades mecânicas ímpares. As peças unidas por encaixes e ferragens apropriadas, certificadas segundo o Eurocódigo, conferem ao conjunto da “casa-puzzle” excelentes propriedades mecânicas.

 

Os ensaios realizados à escala natural pelo LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil), no âmbito do projeto 227887 – FP7-INFRASTRUCTURES  do estudo pan-europeu SERIES (Seismic Engineering Research Infrastructures for European Synegies), patrocinado pela Comissão Europeia, sobre uma construção da Rusticasa, entre outras, revelam as altas performances antissísmicas das construções em madeira.

 

Na Rusticasa, não há modelos standards, todas as construções são personalizadas. As plantas que apresentamos nos nossos catálogos são apenas ideias e eventuais pontos de partida para criar a sua própria planta…

 

Poderá apoiar-se na experiência de 40 anos da empresa para, junto com os nossos comerciais e desenhadores, desenvolver a sua Casa de Sonho!

Muitos dos nossos Clientes consideram uma lareira um equipamento fundamental numa RUSTICASA®, tão grande é o seu contributo para um ambiente rústico, acolhedor e confortável.

 

A Incorporação de um maciço em pedra ou betão para a lareira, recuperador de calor ou salamandra simplesmente protegidos com um bonito painel decorativo e ignífugo, radiadores por convecção, piso radiante… Tudo é possível numa RUSTICASA®. Sempre com o apoio da nossa equipa técnica experimentada.

A madeira, indiscutivelmente, arde, mas como material estrutural, face ao fogo, garante benefícios ímpares. Em caso de incêndio, a carbonização superficial da madeira, além de dificultar a saída dos gases (que de resto não são tóxicos), dificulta também a penetração do calor por ter uma condutividade térmica inferior à da própria madeira. A propagação em profundidade do fogo torna-se, portanto, muito lenta.

 

Muitos materiais estruturais não são combustíveis, no entanto, nenhum é à prova de fogo. Num incêndio, as estruturas metálicas dilatam-se e retorcem-se, decrescendo vertiginosamente a sua resistência mecânica com a subida de temperatura. Nas mesmas circunstâncias, o betão armado quebra-se.  No caso da madeira, ao ser desprezível a sua dilatação térmica, não sofre deformações perigosas nem perigo de aluimentos. Ganha-se assim um tempo precioso para a evacuação do edifício.

 

É reconhecido pelos bombeiros de todo o mundo, que o comportamento ao fogo das estruturas de madeira é mais seguro do que com qualquer outro material de construção. Em outras palavras, o ferro e o betão armado não queimam mas aluem rapidamente num incêndio, enquanto que a madeira arde mas não cai tão rapidamente. É a diferença entre a “reação ao fogo” e a “resistência ao fogo”. A madeira tem fraca reação ao fogo, mas elevada resistência ao fogo, ao contrário do ferro e do betão.

 

Já há muito que se sabe que o risco de incêndio não é mais elevado numa casa de madeira do que numa casa em tijolo. As companhias de seguros o sabem. O risco de incêndio está mais associado aos materiais de decoração (cortinas, mobiliário, …) do que propriamente à composição das paredes da casa.

 

Para todos os efeitos, a Rusticasa calcula as suas estruturas de madeira conforme o Eurocódigo 5, com os respetivos parâmetros de segurança na resistência ao fogo.

No ano de 1978 foi construída a primeira RUSTICASA®. Já lá vão mais de 40 anos! Desde então, foram realizadas mais de 1.600 obras, principalmente em Portugal, Espanha e França.

 

Mas não basta ter muitos anos e muitas casas feitas… O importante é comprometer-se num processo de melhorias contínuas, para que a construção em madeira esteja sempre colocada no seu lugar de direito: uma construção ecológica e de futuro.

A Rusticasa aposta num máximo de pré-fabricação dentro de porta da fábrica, a fim de conseguir dois pontos capitais na qualidade do produto: controlo e precisão do fabrico + montagem rápida em obra.

 

Dependendo do sistema construtivo escolhido e da dimensão da obra, a pré-fabricação em fábrica demora em média duas semanas, seguidas de mais ou menos seis semanas no local da construção, onde deverá existir antecipadamente a base de cimento realizada pelo cliente.

 

Adicionalmente, pela sua rapidez de execução e sua forma de construção sem recurso à água (portanto sem tempo de secagem), uma casa em madeira é habitável muito mais rapidamente que qualquer outra casa (imediatamente após a conclusão da montagem). Desta forma é possível poupar considerável soma em rendas ou mensalidades de crédito de habitação.

A maioria das entidades bancárias já financiaram habitações da Rusticasa, mesmo se por vezes o desconhecimento leva a que se obtenha a informação contrária.

 

Tratando-se de uma habitação que cumpre todas as normas e regulamentos em vigor em Portugal e na Europa, o clássico crédito habitação é o produto financeiro mais habitual.

 

A Rusticasa poderá orientá-lo para instituições bancárias mais familiarizadas com as nossas construções.

A tramitação para construção de uma RUSTICASA® é em tudo idêntica à de uma casa em alvenaria: apresentação de projecto de arquitectura e projectos de especialidades na câmara municipal, esta emite um alvará de construção, no final da obra obtém-se uma licença de utilização, a construção é então registada como imóvel na conservatória do registo predial e pode ser hipotecada como qualquer outro imóvel.

Não. Existem normas nacionais e europeias que devem ser aplicadas para que o consumidor final possa ter a garantia de que vive numa construção segura, durável, isolada, etc…

 

Não basta o facto de uma empresa dizer que cumpre, as autoridades que procedem ao licenciamento têm por função verificar se as normas são efectivamente cumpridas. Além disso, se pelo facto de ser de madeira se dispensasse licenciamento, seria incentivar a construção desordenada tendo o mesmo efeito da construção ilegal: em qualquer sítio apareceria uma casa.

 

Dado que a RUSTICASA® defende exactamente o contrário, i.e., aplicação de normas de construção e aplicação de normas de ordenamento do território, cada construção RUSTICASA® é submetida a licenciamento.

As infra-estruturas, normalmente por conta do cliente, são o conjunto das obras preparativas como: caminho de acesso à casa, base de cimento (com ou sem cave) para receber a casa de madeira, muro de contenção, parede de alvenaria ou pedra integrada na construção da casa, fossa séptica, poço absorvente, respetivas canalizações, encaminhamento da energia elétrica do contador até ao quadro geral, etc…

 

A Rusticasa limita-se exclusivamente ao perímetro da construção de madeira, incluindo eventual fornecimento das instalações sanitária e elétrica.

Como qualquer construção de habitação, independentemente dos materiais em causa, uma casa em madeira também deve receber os cuidados seguintes:

 

  •  Inspeção/limpeza anual da cobertura, sobre tudo se a casa se encontra em zona arborizada.
  •  Limpeza e lubrificação bienal das ferragens da caixilharia exterior.
  •  Limpeza bienal dos canais de escoamento de água nos aros da caixilharia exterior.
  •  Controlo da distância de pelo menos 20cm entre o terreno e a primeira peça-base de madeira.
  •  Controlo e limpeza (anual ou bienal, em função da intensidade de uso) dos aparelhos de fogo (salamandra, recuperador de calor, …), da distância de segurança à madeira, e dos respetivos tubos de fumo.
  •  Controlo da instalação sanitária, fugas de água e vedações nas zonas de duche e banheira.
  •  Repintura das madeiras exteriores, com aplicação periódica de velatura microporosa de impregnação (não filmogeno). O cliente poderá comprar diretamente a velatura no mercado, ou adquirí-la à Rusticasa, ou ainda contratar o serviço de repintura à Rusticasa.

 

Por tratar-se de velatura impregnante, a repintura procede-se de forma muito simples, bastando passar uma lixa média/fina na superfície da madeira, retirar o pó e aplicar uma demão de velatura.

 

Existem vários tons de escolha.

 

A periodicidade da repintura é muito dependente da exposição da casa (e de cada fachada) ao sol e à chuva batida. Em geral, ao fim do segundo ano após a entrega da obra, é recomendado proceder à aplicação da primeira manutenção de repintura, em todo o exterior da casa, mas com especial reforço (2 demãos) nas zonas mais expostas ao sol (sul e poente). Ao fim de 5 anos de vida da construção, é recomendado proceder à aplicação da segunda manutenção de repintura, actuando da mesma maneira como a primeira. As repinturas seguintes devem ser avaliadas consoante o estado da madeira. Normalmente repetem-se a cada 3 a 5 anos. As fachadas norte e este não irão precisar de tantas repinturas como as fachadas sul e oeste. Certas aplicações de madeira, como a tábua de beiral do telhado, pilares de alpendre e corrimãos, irão precisar certamente de manutenções mais repetidas.

A legislação nacional vigente obriga os construtores, qualquer que seja o método construtivo, a prestar uma garantia de 5 anos sobre as suas construções.

 

A Rusticasa oferece uma garantia de 10 anos sobre os elementos estruturais e inamovíveis da construção, simplesmente porque confia na qualidade do seu produto e quer tranquilizar os seus clientes sobre uma escolha racional e fundamentada na compra de uma casa RUSTICASA®.

Pergunte-nos:

*

*

Reload Captcha